TECNOx 4.0: Ética, direitos humanos e tecnologias livres

11 a 15 de Março de 2019

em Porto Alegre/Brasil, no Centro Cultural da UFRGS

TECNOx, coletividade latino-americana de desenvolvedores e usuários de tecnologias livres, desde 2016 integra atores acadêmicos e não acadêmicos no uso das novas formas permissivas de disseminação do conhecimento científico e tecnológico e suas aplicações. Essa abordagem permissiva da propriedade intelectual e código aberto tem surgido como uma alternativa ao modelo tradicional e abre novas possibilidades de participação cidadã no desenvolvimento científico e tecnológico, a exemplo da ciência cidadã. A ciência cidadã é uma modalidade de pesquisa científica que envolve o cidadão no processo científico de maneira direta, abrindo uma nova forma de divulgação científica. Outros conceitos alinhados que também estão presentes no TECNOx são Educação Aberta, Ciência Aberta, Software Livre e Hardware Aberto e Livre. Essa abordagem permissiva da propriedade intelectual tem chegado ao mercado e é conhecida como inovação de código aberto.

O TECNOx é um evento que ocorre em diferentes países da América Latina e visa à integração dessa coletividade composta por cientistas, engenheiros, tecnólogos, estudantes, empresários e membros da sociedade civil não necessariamente ligados à alguma instituição. As tecnologias livres têm grande potencial para contribuir para os objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas e os membros desta coletividade buscam contribuir para o bem-estar da humanidade e das gerações futuras dentro de uma cultura de paz. Entretanto, tecnologias livres também podem ser mal utilizadas com o desenvolvimento de armas, patógenos, substâncias tóxicas, assim como pôr em risco a biodiversidade. Deste modo, é fundamental que sejam realizadas reflexões sobre a ética do desenvolvimento dos projetos científicos e tecnológicos que são desenvolvidos para disseminação integral. Visando amadurecer a coletividade nesses temas sensíveis, selecionamos o seguinte tema para o TECNOx 4.0: Ética, direitos humanos e tecnologias livres.

Os países da América Latina compartilham aspectos culturais, geográficos e econômicos com grande potencial de se beneficiar mutuamente do uso e desenvolvimento colaborativo de tecnologias livres. Assim, o TECNOx tem como objetivo integrar e fortalecer a coletividade latino-americana de tecnologias livres. Seguindo a tendência de eventos que buscam a formação de coletividades através da integração de atores acadêmicos e não acadêmicos, o encontro segue um formato que visa maximizar as interações entre os participantes. Complementando as tradicionais exposições orais e sessões de pôsteres, o evento prevê também oficinas e momentos de discussões e dinâmicas colaborativas. Essas dinâmicas têm como objetivo fortalecer a corresponsabilização e a autoria dos participantes no evento, e então potencializar a percepção de coletividade. Estão previstas quatro tipos de atividades:

  1. Apresentações de projetos na forma de breves exposições orais, pôsteres e mostra de tecnologias livres que resultará em um livro de resumos.
  2. Painéis com especialistas em diferentes tópicos de tecnologias livres para informar os participantes sobre o estado da arte e questões de fronteira
  3. Oficinas orientadas ao aprimoramento da prática de desenvolvimento aberto de projetos. Estas oficinas visam oferecer subsídios para os participantes aprimorarem as práticas de desenvolvimento e apresentação de seus projetos de modo a facilitar a criação de derivações e a expansão da coletividade de usuários e desenvolvedores de cada projeto. Temas a serem abordados: documentação, licenciamento, ferramentas, formas de comunicação e registro.
  4. Sessões de desconferências: discussões e atividades de cocriação que visarão identificar os desafios compartilhados e o potencial de colaboração entre os países latino-americanos. Ao final, será elaborado um documento chamado Manifesto TECNOx que consolidará as sinergias e os desafios para o desenvolvimento científico, tecnológico e sustentável latino-americano por meio das tecnologias livres. Este manifesto irá contribuir com o desenvolvimento de um plano estratégico de parceria e troca entre instituições e indivíduos latino-americanos, buscando estimular uma maior diversidade na rede.

As atividades 1 e 2 serão concentradas no mesmo turno pois serão oportunidades para introduzir novas pessoas às áreas de ciência aberta e cidadã, tecnologias livres, inovação social e inovação aberta. Por isso estas etapas estarão abertas para participação de estudantes de escolas do ensino médio e escolas técnicas. Serão abertas chamadas para caravanas de escolas da região. O painel do primeiro dia visa apresentar o tema central do evento: Ética, direitos humanos e tecnologias livres. No segundo dia, o TECNOx reunirá painelistas que apresentarão casos de uso e discutirão o potencial educacional das tecnologias livres. O terceiro painel reunirá especialistas nos modelos de negócios emergentes para empreendimentos baseados em inovação aberta e tecnologias livres, visando fomentar iniciativas alinhadas com a Agenda para o Desenvolvimento Sustentável da ONU, de forma a direcionar a 4° revolução industrial para um caminho de sustentabilidade e ecologia. O último painel pretende abordar questões de diversidade de gênero e cultural.

O TECNOx 4.0 terá dois resultados entregáveis: o Livro de Resumos e o Manifesto TECNOx.

Programação preliminar

Na programação abaixo é possível identificar a programação e o entrecruzamento entre as atividades promovendo a dinamicidade do evento. O TECNOx quer fortalecer não só o conhecimento científico e tecnológico mas especialmente a abordagem permissiva da propriedade intelectual e código aberto que fortalece a sua disseminação a apropriação integral pela sociedade. Por fim, nos dias finais do TECNOx, concentraremos nossa atenção especialmente sobre a construção de fundamentos de um manifesto pelas tecnologias livres na América Latina, seguindo alguns elementos das dinâmicas de desconferência, tais como levantamento de pontos de interesse de maneira coletiva e espontânea por parte dos participantes, seguido de discussão coletiva sobre os pontos.

O TECNOx, enquanto coletividade latino-americana de desenvolvedores e usuários de tecnologias livres, integrando atores acadêmicos e não acadêmicos, propõe não só painéis, sessões e oficinas mas também novos formatos de participação para a disseminação do conhecimento científico e tecnológico, tais como as desconferências.

Desconferências – As desconferências são rodas de discussão sobre temas levantados coletivamente e espontaneamente pelo grupo, no que também pode ser entendido como uma forma de crowdsourcing. A dinâmica tem a seguinte estrutura:

  • Toró de ideias (Brainstorm): Os participantes são convidados a escreverem em papeis e colarem em um quadro temas de seu interesse, que podem ser abrangentes ou específicos.
  • Agrupamento: Ao final do levantamento de ideias, os assuntos são agrupados em alguns aglomerados e nomeados de acordo com um tema comum que conecta esses tópicos. Esse processo também é conduzido organicamente por todos os participantes.
  • Rodas de Conversa: A partir da definição dos tópicos, a organização do evento indica os espaço reservados para cada um temas e convida os participantes a se organizarem. Para as rodas de conversa, é importante que um integrante se coloque como facilitador, quem tem a missão de garantir a participação de todos na conversa, e outro se coloque como relator, quem tem o objetivo de documentar aspectos importantes e consensos da discussão. Essa documentação é disponibilizada abertamente em meio virtual, constituindo um dos resultados consolidados do evento, que se apresentam como referências para os grupos de trabalho presentes e, de maneira mais ampla, a toda a coletividade engajada ou em tecnologias livres em temas transversais às mesmas.
  • Relatos: Ao final das conversas, todos os participantes são convidados a se reunirem e então os relatores compartilham com o grande grupo como foi cada uma das desconferências.

Sessão de pôsteres e mostra de tecnologias livres – Cada projeto selecionado para publicação no livro de resumos terá a oportunidade de ser exibido na forma de pôster e, havendo a possibilidade, acompanhado de uma amostra da tecnologia. Estas sessões serão iniciadas com um pitch, de 3 minutos onde cada equipe irá apresentar seu trabalho no palco para cativar os demais a visitarem seu pôster. Serão aceitos trabalhos que envolvam pesquisa ou desenvolvimento de tecnologias livres, sejam projetos biológicos, hardware ou software livres, podendo ser expostos como pôsteres. Estará aberta a possibilidade da montagem de estandes com protótipos e pôsteres em um espaço amplo no qual participantes e visitantes possam transitar e conhecer os trabalhos.

Oficinas – Esses serão momentos que combinarão oficinas pré-programadas e outras propostas espontaneamente ao longo do evento em dois turnos. A proposta é promover momentos para facilitar a inserção de novos participantes no movimento, a partir do compartilhamento de conhecimentos práticos. Além disso, abre-se uma oportunidade para que diferentes grupos e indivíduos, mesmo os mais experientes, troquem conhecimentos e preencham lacunas que percebam para melhor contribuírem para a coletividade de tecnologias livres. Serão oferecidas oficinas direcionadas aos indivíduos e coletivos que tem a intenção de fazer projetos abertos, porém não tem a experiência para fazê-lo, uma vez que este é um ramo recente da tecnologia. É necessário desenvolver a documentação do projeto considerando os formatos de arquivos e programas utilizados no desenvolvimento. Aspectos de licenciamento também devem ser considerados para tornar uma tecnologia livre, demanda que muitas vezes não está clara para as pessoas. Assim, algumas oficinas terão o objetivo de aprimorar a apresentação da documentação, licenciamento, ferramentas utilizadas, formas de comunicação dos projetos inscritos, visando facilitar a criação de derivações do projeto e/ou a expansão da coletividade de usuários e desenvolvedores do projeto.

Paineis – Os paineis serão momentos de discussão entre referências em determinados assuntos considerados importantes pela organização do evento e os quais estão intimamente relacionados com o tema do evento: ética, direitos humanos e tecnologias livres. A partir disso, pretendemos atingir ressonância entre o grande grupo sobre reflexões e fundamentos importantes sobre cada um dos temas elencados pelos especialistas convidados. Os painelistas terão de 15 a 20 minutos para suas falas iniciais e então será aberto um momento de debate. Os temas elencados e os respectivos painelistas a serem convidados pelo Comitê Organizador.

Comitê organizador local

  • Cíntia Inês Boll (FACED e CTA/UFRGS)
  • Daniel Nehme Muller (Associação Software Livre)
  • Leonardo Heidemann (CTA/IF/UFRGS)
  • Lucas M. Schnorr (INF/UFRGS)
  • Maíra Baumgarten Corrêa (IFCH/UFRGS)
  • Rafael Pezzi (CTA/IF/UFRGS)
  • Sarita Albagli (IBICT)
  • Tel Amiel (UnB)
  • Alisson Claudino (CTA/IF/UFRGS)
  • Cristthian M. Arpino (CTA/IF/UFRGS)
  • Leonardo S. Alves (CTA/IF/UFRGS)
  • Marina de Freitas (CTA/IF/UFRGS)
  • Renan Soares (CTA/IF/UFRGS)
  • Heloísa Oss Boll (Biotecnologia/CTA/UFRGS)
  • Marcelo Amaral (Química/CTA/UFRGS)
  • Lucas Fialho Zawacki (Matehackers)